A norma atualizou também os critérios para fim do isolamento, deixando de ser preciso o teste negativo caso o doente tenha cumprido os critérios de melhoria clínica e o tempo mínimo de dias de isolamento definido.

Este critério não se aplica, contudo, se o doente voltar a desenvolver sintomas e seja considerado contacto de alto risco de um caso confirmado nos últimos 14 dias ou quem tenha o sistema imunitário comprometido.

Foi ainda atualizada a terapêutica definida para os doentes internados, passando a ser considerada a administração de Remdesivir nos casos de pneumonia por SARS-CoV-2 e hipoxemia (défice de oxigénio no sangue arterial) confirmada. Nos doentes internados com doença grave ou crítica, deve ser considerada a administração de Dexametasona (ou de Metilprednisolona, na sua ausência, sobretudo em idade pediátrica).