Já esta disponível o portal no qual os utentes com mais de 65 anos já podem agendar a data e o local da primeira toma da vacina contra a COVID-19.

Quem fizer a inscrição, terá de esperar por um SMS que confirmará a data, a hora e o ponto de vacinação. Se tiver mais de 65 anos, pode ainda escolher mais do que um ponto de vacinação e aceitar a data sugerida pelo portal, alterar a mesma ou ficar em lista de espera.

O plano de imunização da COVID-19 passou à fase seguinte, de “abundância”, e a rapidez e o agendamento da vacinação são os principais desafios, segundo disse o vice-almirante Gouveia e Melo, responsável pela “Task Force” de vacinação em Portugal contra a doença causada pelo novo coronavírus.

Num comunicado citado pelo SAPO, a DGS informa que nesta segunda fase do plano de vacinação, haverão duas estratégias distintas: “a vacinação por faixas etárias decrescentes, até aos 16 anos, e de pessoas com 16 ou mais anos e que tenham doenças com risco acrescido de COVID-19 grave ou morte”.

Independentemente da idade, terão prioridade na toa doentes com diabetes, obesidade grave, doença oncológica ativa, transplantação e imunossupressão, doenças neurológicas graves e doenças mentais.

Além disso, aqueles que recuperaram de infeção por COVID-19 “há pelo menos seis meses” também estão incluídos na segunda fase de vacinação, caso façam parte de algum grupo prioritário ou das faixas etárias agora abarcadas.

Mais de dois milhões de pessoas já receberam a primeira dose da vacina contra a COVID-19, o que equivale a 20% da população portuguesa, enquanto cerca de 700 mil, que representam 7% dos portugueses, já têm a vacinação completa contra o vírus SARS-CoV-2.

Atualmente, o ‘stock’ destes fármacos no país é a reserva necessária para garantir as segundas doses mais imediatas.

O plano de vacinação português inclui as quatro vacinas que já têm a autorização do regulador europeu (EMA): a Comirnaty da farmacêutica Pfizer, a Moderna, a Janssen do grupo Johnson & Johnson e a Vaxzevria, anteriormente designada de AstraZeneca.

As vacinas da Pfizer, Moderna e AstraZeneca obrigam à toma de duas doses, enquanto a da Janssen, a mais recente a chegar a Portugal, é administrada numa única dose.