16.5 C
Oeiras Municipality
Sáb 20 Abril 2024
Inicio Portugal Frente Comum quer aumentos salariais de 90 euros na função pública e...

Frente Comum quer aumentos salariais de 90 euros na função pública e salário mínimo de 850 euros

Após ser aprovado o caderno reivindicativo para 2022, a Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública (FCSAP) faz saber que, entre as exigências deste novo caderno, manterá o pedido de aumentos salariais de 90 euros para todos os trabalhadores da função pública e um salário mínimo de 850 euros.

Para além destas duas reivindicações, a Frente Comum vai ainda solicitar a correção da Tabela Remuneratória Única da função pública e a atualização do subsídio de refeição para 7,50 euros.

Para além disso, na “Proposta Reivindicativa Comum” constará ainda o descongelamento efetivo das promoções e das progressões nas posições remuneratórias, com a contabilização de todo o tempo de serviço e a revogação do atual sistema de avaliação (SIADAP) e sua substituição por um sistema de avaliação sem quotas, que valorize os trabalhadores.

A Frente comum pede ainda que seja reposto o valor do pagamento das horas extraordinárias, do trabalho em dias feriado e de todos os suplementos cortados no período da ‘troika’ e a reposição dos 25 dias de férias e respetivas majorações para todos os trabalhadores, independentemente do tipo de vínculo.

A Frente Comum pede ainda a atualização do valor dos suplementos remuneratórios, designadamente o suplemento de insalubridade e penosidade, as ajudas de custo e abono para falhas. O horário semanal de 35 horas a todos os trabalhadores que exerçam funções públicas e a eliminação de todas as formas de precariedade na Administração Pública, são outras das exigências feitas pelo sindicato.

No plenário de dirigentes e ativistas sindicais foi aprovada uma resolução a exigir ao Governo a resposta à proposta reivindicativa sob pena de serem desenvolvidas ações de luta em sua defesa. “Se o Governo mais uma vez não quiser negociar, os trabalhadores da administração pública terão de ir para a luta”, disse o coordenador da Frente Comum, Sebastião Santana,citado pela MuntiNews.

A estrutura sindical, da CGTP, defende a dotação dos Serviços Públicos de recursos humanos, materiais e tecnológicos para o desenvolvimento de áreas estratégicas para o país, nomeadamente através dos Laboratórios do Estado e do recurso às potencialidades das universidades públicas, o financiamento adequado de todos os Serviços Públicos, a resposta urgente aos problemas dos trabalhadores da Administração Pública e o reforço das funções sociais do Estado para responder às necessidades das populações.

A proposta orçamental para 2022 deverá ser entregue em 11 de outubro no parlamento.

COMENTAR

Please enter your comment!
Por favor, digite o seu nome

- PUB -

Os mais lidos

CMCS participa do Campeonato Europeu de Canoagem de Mar 2024

Decorreu, no passado sábado 13 de abril, em Angra do Heroísmo – Terceira, Açores, o Campeonato da Europa de Canoagem de Mar 2024. Sob...

Palácio dos Aciprestes vai ser palco do concerto Septeto Martinu

O Palácio dos Aciprestes, em Linda-a-Velha, recebe o grupo Septeto Martinu no próximo dia 22 de abril, pelas 18h, para uma jornada musical e...

Concerto Didático para Pais & Filhos ‘História de Música e Música com Histórias’

O Concerto Didático para Pais & Filhos ‘História de Música e Música com Histórias’ realiza-se no próximo dia 21 de abril, pelas 11h, no...

Fundação Gulbenkian, Lisboa e Oeiras abrem candidaturas para residências artísticas

Estão abertas as candidaturas para três residências multidisciplinares da iniciativa Bauhaus of the Seas Sails, de que a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Centro...

Comentários Recentes