11.4 C
Oeiras Municipality
Qua 30 Novembro 2022
Inicio Ciência Investigadores do IGC encontram nova solução para evitar hemorragias nas cirurgias cardíacas

Investigadores do IGC encontram nova solução para evitar hemorragias nas cirurgias cardíacas

Investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência revelaram uma nova forma de reduzir a perda de sangue nas cirurgias cardíacas. O estudo, desenvolvido em colaboração com o Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte, EPE, identificou alterações nos níveis de uma gordura no sangue que se relacionam com o risco de hemorragia dos doentes. Com uma simples análise, os clínicos poderão antecipar esta complicação no pós-operatório e atuar de modo a preveni-la.

As hemorragias são uma das complicações mais comuns após as cirurgias cardíacas, particularmente nas de coração aberto. Neste tipo de cirurgia, os cirurgiões têm de recorrer a um circuito extracorporal composto por tubos e máquinas que replicam a função do coração e dos pulmões. Isto permite-lhes trabalhar no interior do coração enquanto este permanece imóvel e sem sangue. Apesar da sua incontornável utilidade, a circulação do sangue fora do corpo perturba o número e a função dos componentes responsáveis pela coagulação, as plaquetas. Como tal, os pacientes precisam frequentemente de receber transfusões de sangue para prevenir ou contrariar hemorragias, o que não só aumenta o risco de morte como traz custos significativos para os sistemas de saúde.

Com o intuito de encontrar perfis moleculares que informassem quanto ao prognóstico, investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) analisaram amostras de sangue de 33 pacientes sujeitos a cirurgia de substituição de uma válvula cardíaca no serviço de cirurgia cardiotorácica do Hospital de Santa Maria, em Lisboa. As amostras foram colhidas antes e 6 e 24 horas depois da cirurgia, e comparadas em pacientes com e sem hemorragias.

A alteração dos níveis de uma gordura da família do ómega-6 no sangue destes doentes despertou a atenção dos investigadores. Curiosamente, os pacientes que tinham níveis reduzidos desta gordura antes da cirurgia tiveram mais hemorragias e necessitaram de cerca do dobro das transfusões no pós-operatório. Apesar de se saber que estas gorduras regulam a agregação das plaquetas para evitar perdas excessivas de sangue, até à data, não existiam estudos que as relacionassem com a hemorragia pós-operatória. “Ficámos muito entusiasmados por encontrar este perfil que se pode automaticamente relacionar com o risco de hemorragia após as cirurgias cardíacas e que nos poderá ajudar a reduzi-lo”, afirma um dos primeiros autores do estudo, Tiago Velho, especialista em cirurgia cardiotorácica no Hospital de Santa Maria e estudante de doutoramento do IGC.

As hemorragias também foram mais frequentes nos pacientes em que os níveis de ómega-6 diminuíram entre o pré- e o pós-operatório. Mas o que causa esta alteração? Os autores explicam que este é mais um exemplo da complexa relação que existe entre a inflamação, desencadeada pela cirurgia, e a coagulação do sangue. Um importante mediador da resposta inflamatória, conhecido por aumentar o número e estimular a função das plaquetas, parece estar relacionado com a variabilidade desta gordura no sangue dos pacientes. Em particular, este mediador parece estar diminuído naqueles que têm hemorragias. A inflamação poderá, então, ser a razão por trás das alterações nesta gordura e, consequentemente, da disfunção das plaquetas e hemorragia depois das cirurgias cardíacas.

Em suma, este estudo demonstra que a alteração dos níveis de uma gordura da família do ómega-6, associada à inflamação, é caraterística da cirurgia cardíaca com recurso a circulação extracorporal. “Avaliar o nível pré-cirúrgico desta gordura no sangue poderá ser mais relevante que olhar para o número de plaquetas”, explica Luís Moita, investigador principal do grupo de Imunidade Inata e Inflamação do IGC, e também médico de formação. A suplementação com esta gordura antes da cirurgia poderá ser uma solução segura e pouco dispendiosa para assegurar a função normal destes componentes sanguíneos. Os investigadores estão já a planear um estudo “para avaliar a eficácia desta estratégia na redução das hemorragias e transfusões após a cirurgia”.

COMENTAR

Please enter your comment!
Por favor, digite o seu nome

- PUB -

Os mais lidos

Dia internacional da Cidade Educadora

Hoje, 30 de novembro, celebra-se o Dia internacional da Cidade Educadora, que na edição de 2022 tem como lema ‘A Cidade Educadora, cidade de...

PHC Software eleita uma das melhores empresas para trabalhar em Portugal pelo terceiro ano consecutivo

Pelo terceiro ano consecutivo, a PHC Software é eleita uma das melhores empresas para trabalhar em Portugal. Mais um passo decisivo para continuar a inspirar...

IDLES confirmados no Palco NOS da 15ª edição do NOS Alive

IDLES são a primeira confirmação para o dia 7 de julho, no Palco NOS, da 15ª edição do NOS Alive. Desde o lançamento do seu primeiro álbum, Brutalism, em 5 anos a...

2ª Milha de Queijas corre-se a 1 de dezembro

Em 2022 o Grupo Musical 1º de Dezembro de Queijas, com o apoio da Câmara Municipal de Oeiras, irá promover, pela segunda vez, a...

Comentários Recentes

ana PAULA COSTA D FERREIRA ANA FERREIRA on Novo horário do Centro de Vacinação do Pavilhão Carlos Queiroz