13.6 C
Oeiras Municipality
Sáb 4 Dezembro 2021
Inicio Ciência Investigadores do Técnico lideram projeto para extrair oxigénio em Marte

Investigadores do Técnico lideram projeto para extrair oxigénio em Marte

Respirar em Marte é um dos maiores desafios à sobrevivência humana no planeta vermelho. Uma equipa de cientistas liderada pelo Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear (IPFN) está pronta a dar um forte contributo neste sentido, e acaba de conquistar 175 mil euros de financiamento da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) para o fazer. O objetivo do projeto financiado, o Performer, é criar um protótipo que demonstre a produção de oxigénio diretamente a partir da atmosfera de Marte, usando tecnologias de plasmas.

O projeto pretende tirar partido do principal constituinte da atmosfera marciana, o dióxido de carbono (CO2). “Estamos interessados em particular nos átomos de oxigénio existentes na molécula de CO2. Para os utilizar é preciso quebrar a forte ligação entre o oxigénio e o carbono, decompondo a molécula de CO2 em monóxido de carbono e oxigénio. Ambos podem ser posteriormente utilizados para produzir combustíveis, enquanto o oxigénio pode ser recolhido e usado para respirar”, explica o professor Vasco Guerra, docente do Departamento de Física (DF), investigador do IPFN e líder do Performer.

O projeto propõe uma abordagem nova baseada no plasma – o quarto estado da matéria, explorando o efeito sinérgico entre duas tecnologias emergentes: plasmas não térmicos e membranas condutoras de iões. “Os plasmas não térmicos são meios altamente reativos que, ao funcionarem fora do equilíbrio termodinâmico, oferecem possibilidades únicas para quebrar a ligação entre o oxigénio e o carbono, tirando partido da energia armazenada nos graus de liberdade internos”, evidencia o investigador. “O plasma inicia o processo, fazendo a decomposição do CO2 de modo relativamente eficiente. Isso aumenta o fluxo de oxigénio para a membrana condutora de iões, que irá extrair do volume do plasma o oxigénio que nela incide”, complementa.

Tal como explica o docente do DF, a sinergia aparece de duas formas: “em primeiro lugar, por via desse aumento do fluxo de oxigénio para a membrana condutora de iões, que se traduz também num aumento da quantidade de oxigénio extraída.  Em segundo lugar, a condutividade das membranas atinge o seu valor ótimo a temperaturas relativamente elevadas, acima dos 900 ºC”. “O calor gerado pelo plasma deverá permitir reduzir ou eliminar a energia usualmente despendida no aquecimento da membrana”, partilha.

À equipa do IPFN neste consórcio juntam-se investigadores do Dutch Institute For Fundamental Energy Research (DIFFER) e do Laboratoire de Physique des Plasmas (LPP), dando seguimento a uma colaboração já com muito histórico. “Trabalhamos com o DIFFER e o LPP há vários anos, noutros temas para além deste projeto”, salienta o professor Vasco Guerra.

O IPFN irá desenvolver toda a parte de modelação e simulação numérica e estudar experimentalmente um dos três tipos de reatores que serão testados. “Cada um dos parceiros testará um tipo de reator diferente, sendo que o DIFFER terá um papel central, por ser quem possui a tecnologia de membranas condutoras de iões e será por isso o primeiro a tentar o acoplamento entre plasmas e membranas”, revela o líder do Performer.

Reator procurará superar os resultados obtidos pelo instrumento MOXIE

Até agora, a única solução proposta para a produção de oxigénio em Marte é a experiência MOXIE (Mars Oxygen In-Situ Resource Utilization Experiment) da NASA que, em abril deste ano, fez história convertendo dióxido de carbono em 5.5 gramas de oxigénio puro em uma hora, o que seria suficiente para que um astronauta pudesse respirar no Planeta Vermelho durante dez minutos. O projeto do IPFN pretende ir mais longe nesta meta, prevendo-se que ultrapasse os 10 gramas de O2 por hora, recorrendo à mesma potência do MOXIE, 300 Watts (W).

Tendo em conta os elevados custos de transporte de objetos para o Espaço “cada grama conta”, como recorda o professor Vasco Guerra.  Também neste aspeto o reator com o cunho do IPFN poderá destacar-se pelas reduzidas dimensões que se prevê que tenha. “O MOXIE pesa 17 kg, nós vamos tentar construir o nosso reator com 6-7 kg. O volume do nosso reator poderá também ser 5-6 vezes inferior ao do MOXIE”, denota o docente.

O professor Vasco Guerra realça que o MOXIE é “um projeto muito estimulante” e que “estabelece os objetivos que temos que atingir em termos de potência, quantidade de oxigénio produzida por hora, peso e volume do reator”.  Não esquecendo as ótimas previsões que existem em torno do protótipo, o docente do DF sublinha, no entanto, que o instrumento da NASA “tem uma grande vantagem sobre nós: baseia-se em tecnologia conhecida e robusta… e já existe”. O docente do DF, descarta, aliás, qualquer ideia de competição entre os dois projetos que possa pairar no ar, destacando que o Performer surge antes numa lógica de “complementaridade e colaboração”.

A equipa do Performer tem 6 meses para demonstrar o conceito do projeto. “Se as coisas correrem bem, teremos depois 12 meses adicionais para definir o tipo de reator, a geometria e as condições ideais de funcionamento, de modo a otimizar o reator”, destaca o investigador. “Se tivermos sucesso, o passo seguinte será concorrer para um projeto futuro já com a perspetiva de fazer a tecnologia evoluir até estar pronta para se pensar numa missão espacial”, adianta ainda.

Conhecimento adquirido pode também ser útil para tonar a vida na Terra mais sustentável

A ideia de utilizar plasmas para produzir oxigénio em Marte surgiu no contexto do projeto PREMiERE (CO2 Plasmas: a fRiEndly MEdium for Renewable Energy), sobre a utilização do CO2 na Terra que a equipa do IPFN tinha em mãos. “Concretamente o projeto estudava a utilização de energia renovável para converter o dióxido de carbono em combustíveis líquidos por tecnologias a plasma, de modo a substituir os combustíveis fósseis por combustíveis verdes sintéticos. Começámos a pensar se o que estávamos a investigar na Terra se poderia adaptar ao contexto marciano”, afirma o professor Vasco Guerra.  A resposta é positiva e começa agora a ganhar forma com o este projeto.

A equipa de investigadores não descurará, no entanto, a investigação da conversão do CO2 na Terra, como uma resposta com potencial para a problemática das alterações climáticas. “Tivemos agora um novo projeto financiado pela FCT, o projeto PARADiSE (the PlasmA RoAD to Solar fuEls), que se vai também iniciar em janeiro de 2022 e vai capitalizar nos resultados anteriores”, partilha o docente do DF. O objetivo do projeto é, aliás, fazer a demonstração do conceito na Terra. “Esperamos de facto que o que aprendermos com o projeto da ESA nos ajude também neste projeto. E assim contribua para tornar a vida na Terra mais produtiva, limpa e sustentável, ao promover as tecnologias de utilização do CO2 na Terra e a transição energética para energias renováveis”, sublinha o docente do Técnico.

COMENTAR

Please enter your comment!
Por favor, digite o seu nome

- PUB -

Os mais lidos

Intervalo Grupo de Teatro apresenta espetáculo infantil ‘A Revolta dos Brinquedos’

O Intervalo Grupo de Teatro apresenta o espetáculo infantil 'A Revolta dos Brinquedos' em cena todos os sábados e domingos, às 16h, até fevereiro...

Rubrica semanal da Antena 2 ‘Contraconto’ acolhido pelo Teatro Municipal Amélia Rey Colaço

A rubrica semanal da Antena 2 'Contraconto' passa ao formato espetáculo, que será acolhido pelo Teatro Municipal Amélia Rey Colaço para duas apresentações a...

‘Os Grandes Mestres do Séc. XX’ em Oeiras no âmbito do Programa de Clássicos em Oeiras

O Auditório Municipal Ruy de Carvalho, em Carnaxide, vai ser palco de mais um concerto  de música clássica. Dois grandes mestres da orquestração, cuja mestria...

Concurso ‘Bairro da Música’ procura jovens músicos de Oeiras

O concurso 'Bairro da Música' é um desafio à criação de uma música, individualmente ou em grupo, cujo prémio para o vencedor do concurso...

Comentários Recentes

ana PAULA COSTA D FERREIRA ANA FERREIRA on Novo horário do Centro de Vacinação do Pavilhão Carlos Queiroz