11.4 C
Oeiras Municipality
Qua 30 Novembro 2022
Inicio Saúde Monkeypox. DGS alarga grupos com risco acrescido abrangidos pela vacinação preventiva

Monkeypox. DGS alarga grupos com risco acrescido abrangidos pela vacinação preventiva

A Direção-Geral da Saúde (DGS) alargou os grupos de pessoas de risco acrescido elegíveis para a vacinação preventiva contra a Monkeypox, incluindo como critério a “história de múltiplos parceiros sexuais nos últimos seis meses”.
A revisão dos critérios de elegibilidade para a vacinação pré-exposição ao vírus (preventiva) de pessoas com 18 ou mais anos e que nunca tenham sido diagnosticadas com esta infeção consta de uma atualização da norma da DGS hoje publicada.
Assim, podem receber a vacina preventiva contra o vírus VMPX os “homens que têm sexo com homens (HSH), mulheres e pessoas trans, em profilaxia pré-exposição para o vírus da imunodeficiência humana com história de múltiplos parceiros sexuais nos últimos seis meses”.
A vacinação abrange ainda os HSH e pessoas trans que vivam com VIH e tenham múltiplos parceiros sexuais nos últimos seis meses, assim como os HSH e pessoas trans envolvidas em sexo comercial e os HSH com imunossupressão grave.
A norma mantém a elegibilidade dos profissionais de saúde com elevado risco de exposição, envolvidos na colheita e processamento de produtos biológicos de casos de infeção.
A única vacina disponível no mercado internacional para a Monkeypox é de terceira geração contra a varíola, produzida pela empresa Bavarian Nordic, e que é comercializada com a designação de Jynneos nos Estados Unidos e de Imvanex na Europa.
Além da imunização preventiva, a vacinação em Portugal abrange a pós-exposição a contactos com pessoas infetadas, que “é prioritária e não deve ser adiada”, refere ainda a norma da autoridade de saúde.
De acordo com os últimos dados disponibilizados pela DGS, desde 3 de maio e até 26 de outubro, foram identificados 944 casos confirmados de Monkeypox em Portugal, mas registando uma tendência decrescente do número de novas infeções.

Segundo a DGS, os sintomas mais comuns da doença são febre, dor de cabeça intensa, dores musculares, dor nas costas, cansaço, aumento dos gânglios linfáticos com o aparecimento progressivo de erupções que atingem a pele e as mucosas.

Uma pessoa que esteja doente deixa de estar infecciosa apenas após a cura completa e a queda de crostas das lesões dermatológicas, período que poderá, eventualmente, ultrapassar quatro semanas.

COMENTAR

Please enter your comment!
Por favor, digite o seu nome

- PUB -

Os mais lidos

Dia internacional da Cidade Educadora

Hoje, 30 de novembro, celebra-se o Dia internacional da Cidade Educadora, que na edição de 2022 tem como lema ‘A Cidade Educadora, cidade de...

PHC Software eleita uma das melhores empresas para trabalhar em Portugal pelo terceiro ano consecutivo

Pelo terceiro ano consecutivo, a PHC Software é eleita uma das melhores empresas para trabalhar em Portugal. Mais um passo decisivo para continuar a inspirar...

IDLES confirmados no Palco NOS da 15ª edição do NOS Alive

IDLES são a primeira confirmação para o dia 7 de julho, no Palco NOS, da 15ª edição do NOS Alive. Desde o lançamento do seu primeiro álbum, Brutalism, em 5 anos a...

2ª Milha de Queijas corre-se a 1 de dezembro

Em 2022 o Grupo Musical 1º de Dezembro de Queijas, com o apoio da Câmara Municipal de Oeiras, irá promover, pela segunda vez, a...

Comentários Recentes

ana PAULA COSTA D FERREIRA ANA FERREIRA on Novo horário do Centro de Vacinação do Pavilhão Carlos Queiroz